Phil Spencer não pode se comprometer a Call of Duty estar no PlayStation para sempre, obviamente

O CEO da Microsoft Gaming, Phil Spencer, mais uma vez comentou sobre o futuro de Call of Duty sobre os consoles que competem com o Xbox. Falando à The Verge, Spencer disse que não há contrato que possa ser escrito que diga para sempre, mas ele espera que o Call of Duty permaneça disponível no PlayStation por algum tempo.

Não é em algum momento que puxo o tapete embaixo das pernas do PlayStation 7 e é: ‘Ahaha você simplesmente não escreveu o contrato por tempo suficiente’, disse ele. Não há contrato que possa ser escrito que diga para sempre.

Spencer disse que é um pouco bobo escrever um contrato que usa a palavra para sempre, mas o executivo disse que está aberto a intermediar um compromisso de longo prazo com a Sony com a qual seria confortável. Spencer disse que também espera que esse acordo com a Sony pudesse ajudar a apaziguar os reguladores.

O executivo continuou explicando melhor sua posição sobre o assunto. Aqui está o que ele tinha a dizer:

Call of Duty Native no PlayStation, não vinculado a eles ter que levar o passe de jogo, não transmitindo. Se eles querem uma versão de streaming do Call of Duty, poderíamos fazer isso também, assim como fazemos em nossos próprios consoles.

Não há nada nas minhas costas. É o Call of Duty Modern Warfare II se saindo muito bem no PlayStation, indo muito bem no Xbox. O próximo jogo, o próximo, próximo, próximo, próximo, próximo [jogo]. Nativo da plataforma, não precisando se inscrever no jogo Pass. A Sony não precisa aceitar sua plataforma para fazer isso acontecer.

Não há nada escondido. Queremos continuar enviando Call of Duty no PlayStation sem nenhum tipo de ‘aha eu descobri o Gotcha’, como Phil disse ‘nossa intenção’. Entendo as preocupações de algumas pessoas sobre isso e estou apenas tentando ser o mais claro possível.

As palavras de Spencer são fortes e diretas aqui, mas as pessoas sem dúvida continuarão se perguntando e se preocupar com o futuro de Call of Duty no PlayStation até que os planos sejam confirmados em uma capacidade mais oficial e real.

A exclusividade ou não exclusividade de Call of Duty é um ponto-chave no processo de aprovação do acordo da Microsoft para comprar a Activision Blizzard. De acordo com Jim Ryan, do PlayStation, a Microsoft se ofereceu para manter o Call of Duty no PlayStation por três anos além do acordo existente, e Ryan tinha palavras duras para isso.

A Microsoft só se ofereceu para o Call of Duty permanecer no PlayStation por três anos após o acordo atual entre a Activision e a Sony termina, disse Ryan. Depois de quase 20 anos de Call of Duty no PlayStation, sua proposta foi inadequada em muitos níveis e não levou em consideração o impacto em nossos jogadores. Queremos garantir que os jogadores do PlayStation continuem a ter a experiência de chamada da mais alta qualidade, e a Microsoft’s proposta mina esse princípio.

Por sua parte, Spencer disse que a oferta da Microsoft de manter o Call of Duty no PlayStation para o que Ryan disse agora foi um período de três anos que vai muito além de acordos típicos da indústria de jogos. Ele acrescentou que os lançamentos do Call of Duty no PlayStation também terão paridade de recursos e conteúdo com as versões do Xbox.

Phil

Não sabemos, no entanto, qual foi a duração do acordo previamente acordado entre a Sony e a Activision for Call of Duty. Mas seja o que for, será estendido por três anos, aparentemente, mas o que acontece depois disso não estiver claro.

Por sua vez, a Sony acredita que a franquia Call of Duty é tão grande que representa uma categoria de jogo por conta própria, embora a Microsoft não a veja exatamente dessa maneira.

Melhor Call of Duty: Warzone licenciado Skins, do Terminator a Snoop Dogg

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.